Fui visitar a Cicloficina de Leeds, UK

Uma das coisas que gosto de fazer quando visito uma nova cidade é procurar a sua cicloficina local. Em Leeds, no Reino Unido, a cicloficina tem o nome de Pedallers’ Arms.

Uma musiquinha mais pesada \m/ e várias pessoas a trabalhar em bicicletas – mas não o caos – enchiam o espaço. A Jess, o Robin e o Habib acolheram-me como fazendo parte da brotherhood de cicloficinas :) e explicaram-me como funciona aquela em particular.

Estão localizados numa zona bastante perto do centro, e alugam um espaço. São cerca de 15 voluntários mais frequentes, que garantem a abertura do Pedallers três vezes por semana, por 4h em cada sessão.

Quando se entra, é-se encaminhado para um balcão onde é feita a triagem e o registo do utilizador da oficina. Aqui pode-se escolher uma modalidade de sócio anual, com o pagamento de um donativo livre entre £15 – £40, ou usar uma modalidade pontual com um donativo associado de £2 – £10, dependendo das possibilidades de cada um. Não consegues pagar nada? Não faz mal, és ajudado na mesma a reparar a tua bicicleta.
Eles são muito claros para que é que os donativos servem, como diz no seu site:

We want to be affordable to everyone, but we do need some cash to pay our rent, utilities, insurance, replacement of tools and general upkeep of the workshop. Your membership or donation also covers oils, grease, cleaning fluids and so on. We are volunteers and we don’t get paid, we just enjoy it and want to help other people who ride bikes.

Aqui, tanto as peças usadas como o material novo têm um preço. Para as peças, há uma tabela afixada com um intervalo de valores, que fica ao critério do voluntário/a decidir. Já as novas, têm marcado um preço de venda, se bem que o colectivo decidiu que esse preço está sempre entre uma margem de 50% (relativamente ao preço do fornecedor), até um máximo de 5£. Ou seja, se queres comprar um pneu Schwalbe bom, que numa loja custaria uns 40£, ali custa cerca de 25£.
Têm também bons u-locks, correntes, cassetes, luzes, desmontas,… tudo a preços acessíveis.

A Jess explicou-me que a lógica deles é ter à disposição material de muito boa qualidade, que não se estragará tão facilmente, a um preço acessível – porque se eles podem não ter uma margem tão grande e beneficiar os utilizadores de bicicleta, porque não o fazer?
A sua boa relação com os fornecedores é a chave, pois têm conseguido muito bons “deals” de material e peças em quantidade.
Diz também que isso não afecta as lojas de bicicleta locais, pois essas fazem todas parte de marcas grandes, que não mexerão nos preços dos seus produtos facilmente.

pneus para venda
câmaras de ar, fitas, e peças para venda, a baixo custo
luzes e kits de remendos para venda

A organização das suas ferramentas e material é incrível. Está tudo muito bem assinalado, para que qualquer voluntário ou utilizador compreenda. O espaço não é gigante, então ter tudo bem organizado ajuda bastante.

espigões de selim, organizados por diâmetro
pecinhas, com lógica
mais peças..
desviadores, travões, manetes, etc
raios e correntes*
cabos e bichas, por baixo de uma bancada de trabalho

O painel gigante das ferramentas é um grande orgulho do Pedallers. Com a “sombra” pintada a preto, consegue-se perceber o que falta.
Cada stand tem também um conjunto de ferramentas mais básicas, que ficam logo à mão.

painel geral de ferramentas
chaves allen com código de cores
ferramentas básicas junto ao stand
ferramentas mais específicas ou de precisão

Quando lhes perguntam se vendem bicicletas, a resposta simples é “Não”. Não só porque não têm tempo para as montar ou afinar, como a loja-cooperativa de bicicletas que se localiza no piso acima já o faz. Mas uma pessoa pode montar uma bicicleta a partir de um quadro, normalmente com um prazo de cerca de 3 semanas, e cobrindo os custos de todas as peças. Se não tiver muitos recursos, a Pedallers pode financiar cerca de 15-20£ a abater no valor final.

projectos em montagem
quadros por montar
rodas e garfos

Uma coisa que me chamou a atenção é que apesar de terem uma não-estrutura, ou estrutura horizontal, muito raramente reúnem presencialmente para decidir sobre assuntos que surjam. Como estão familiarizados com os princípios da cicloficina a confiança que têm uns nos outros permite que cada um decida no momento o que fazer, e terem “áreas” bem distribuídas pelos voluntários – como comunicação, compra de peças a fornecedores, actualização de horários, ler emails, etc – ajuda nesse processo.

regras da casa
mensagens entre turnos

A Pedallers’ Arms tem contrato de renda por mais 8 meses. Estão muito apreensivos com o que irá acontecer depois disso, pois crêem que não é possível encontrar mais nenhum espaço do género em Leeds com uma renda semelhante.
Parece que é uma preocupação transversal a várias cicloficinas… e que pode ditar o fim das mesmas.

Mais fotos em: https://photos.app.goo.gl/bCNJEEygbE2RtMev6

2 responses to “Fui visitar a Cicloficina de Leeds, UK

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.