Sobre

O que é a Cicloficina?

É uma iniciativa informal, e aberta a todos os que nela queiram colaborar. É um serviço de assistência mecânica prestado à população ciclista, e funciona apoiada no tempo, dedicação e mais valias dos voluntários que a fazem acontecer.

Actualmente funcionam várias Cicloficinas no país, e cada uma delas poderá ter o seu horário, regras e serviços disponíveis. Aconselha-se a consulta dos sites respectivos de cada Cicloficina em particular.

Poderão também existir Cicloficinas pontuais (p.ex: apoio a eventos), a que chamamos de sessões móveis.

Qual o objectivo da Cicloficina?

  • Promoção do uso quotidiano da bicicleta, dando-lhe visibilidade.
  • Animação da rua e da vida colectiva do local onde decorre a Cicloficina.
  • Aumento das interacções e fortalecimento das relações da comunidade.
  • Fortalecimento da autonomia dos utilizadores de bicicleta, ensinando-os a regular, ajustar, afinar e manter as suas bicicletas, manter a sua segurança e o seu conforto, com vista a fomentar um maior uso da bicicleta na cidade.

Quem faz a Cicloficina?

Voluntários. Ciclistas, pessoas com apetência e à vontade com bicicletas, ferramentas, mecânica, disponibilizam-se a ajudar outras com menos experiência, recursos ou vocação para essas lides. Quem estiver interessado em colaborar basta aparecer na Cicloficina mais perto, e/ou entrar em contacto para o respectivo mail.

Quando e onde é que acontece?

Sempre que haja voluntários disponíveis. As Cicloficinas procuram garantir uma regularidade semanal ou mensal, consoante a disponibilidade dos voluntários. Cada Cicloficina poderá definir dias, horas e local diferentes.

O que fazem na Cicloficina?

Depende de projecto para projecto (e do seu estado de desenvolvimento), dos voluntários, das condições logísticas, dos apoios, etc. No mínimo, fazem-se coisas simples como mudar uma câmara de ar ou remendar um furo, encher os pneus, afinar os travões ou as mudanças, regular a altura do selim, apertar umas porcas e parafusos, etc. Consoante as circunstâncias poderão haver workshops de recuperação de bicicletas (ex.: pegar em peças disponíveis e (re)construir uma bicicleta que poderá ser vendida ou doada a alguém), e estes poderão ter ou não um ênfase na formação – aproveitar o processo para ensinar outras pessoas a fazer este tipo de coisas.

É uma oportunidade de aprender e conversar com outros ciclistas sobre estas pequenas afinações, para conseguir fazê-las sozinho posteriormente. Outros assuntos relacionados com a utilização regular da bicicleta como meio de transporte surgem também facilmente à conversa.

Quanto custam os serviços?

Nada. É um serviço gratuito assegurado por trabalho voluntário. Só se houver pequenas peças (câmaras de ar, cabos, etc) que seja necessário trocar, poderá ser pedida alguma contribuição, mas isso será visto na altura.

A Cicloficina não prejudica as empresas que operam oficinas de bicicletas profissionais?

Não. A Cicloficina complementa os serviços comerciais, e o seu papel de divulgação e promoção do uso da bicicleta beneficia as empresas do ramo ao expandir a sua base potencial de clientes (mais pessoas a andar de bicicleta mais vezes). Estes utilizadores recorrerão depois às lojas e oficinas normais para serviços especializados e para procurar melhorias de equipamento para uma melhor experiência de utilização da bicicleta, que serão estimulados a valorizar.

Quando surgiu a Cicloficina?

Em Fevereiro de 2007 um grupo de cidadãos iniciou o projecto em Lisboa. A Cicloficina começou a funcionar na Rua dos Bacalhoeiros em colaboração com a Associação Bacalhoeiro, a Junta de Freguesia da Sé e a FPCUB. Essa parceria tinha como objectivo ocupar a rua, que tinha sido fechada ao trânsito recentemente, e dar um uso ao espaço e uma ocupação às crianças da Freguesia, ajudando-as a arranjar as suas bicicletas. À falta de um esforço constante de divulgação da Cicloficina no Bacalhoeiro, esta acabou mesmo por parar. Para um pouco mais de história, ler este post do Ricardo. A Fase II da Cicloficina de Lisboa durou 1 ano, de Novembro de 2008 a Novembro de 2009, e terminou pela escassez de voluntários residentes e tempo disponível destes, que condicionou os esforços de expansão e desenvolvimento do projecto. Passou ainda por uma 3ª fase, em formato móvel no Jardim Fernando Peça (2010), até que finalmente foi acolhida por um colectivo (Associação Recreativa dos Anjos), e passou a funcionar no Regueirão dos Anjos com periodicidade semanal desde Fevereiro de 2011.

Paralelamente à história da Cicloficina de Lisboa, foram surgindo outras Cicloficinas no Porto, Seixal, Barreiro e Linda-a-Velha.

 

Download do folheto sobre a Cicloficina dos Anjos, em PDF: folheto CicloficinaAnjos DoRightMix

 

Em Maio de 2013, alguns colaboradores da Cicloficina dos Anjos escreveram um paper para a XXIV International Cycling History Conference, com o título “The role of a community bicycle shop in cycling policies: the case of Lisbon“. O artigo pode ser consultado no seguinte endereço: Cicloficina_ICHC2013.

24 responses to “Sobre

  1. Olá! Como podemos incluir as informações da Cicloficina de Coimbra neste blog? Estamos realizando Cicloficinas mensais desde Agosto. São toda 1a quarta-feira do mês, das 18h as 20h na Casa das Artes da Fundação Bissaya Barreto, Av. Sá da Bandeira, 83, 3000 Coimbra.

    Obrigada!

  2. Pingback: OUTRO EVENTO (03) – Diário Boémio·

  3. Pingback: OUTRO EVENTO (04) – Diário Boémio·

  4. Pingback: OUTRO EVENTO (06) – Diário Boémio·

  5. Pingback: OUTRO EVENTO (10) – Diário Boémio·

  6. Pingback: OUTRO EVENTO (11) – Diário Boémio·

  7. Pingback: OUTRO EVENTO (13) – Diário Boémio·

  8. Pingback: OUTRO EVENTO (17) – Diário Boémio·

  9. Pingback: OUTRO EVENTO (18) – Diário Boémio·

  10. Pingback: OUTRO EVENTO (20) – Diário Boémio·

  11. Pingback: OUTRO EVENTO (24) – Diário Boémio·

  12. Pingback: OUTRO EVENTO (25) – Diário Boémio·

  13. Pingback: OUTRO EVENTO (27) – Diário Boémio·

  14. Pingback: OUTRO EVENTO (31) – Diário Boémio·

  15. Pingback: outro evento_01 – Diário Boémio·

  16. Pingback: outro evento_03 – Diário Boémio·

  17. Pingback: outro evento_07 – Diário Boémio·

  18. Pingback: outro evento_08 – Diário Boémio·

  19. Pingback: outro evento_10 – Diário Boémio·

  20. Pingback: outro evento_14 – Diário Boémio·

  21. Pingback: outro evento_15 – Diário Boémio·

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.